MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS DA UNB: REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES-PESQUISADORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n2p17

Palavras-chave:

formação de professores, mestrado profissional, ensino de ciências, egressos

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar como o Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília influencia na inserção profissional e na qualificação docente de seus egressos. Para isso, foi investigada a atuação profissional de mestres titulados no período de 2006 a 2016, relacionando-a aos motivos que os levaram ao Mestrado Profissional e às contribuições do curso para sua prática profissional. Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso, realizada por meio de questionários eletrônicos de múltipla escolha enviados aos egressos. A análise indicou certa capilaridade do curso na formação de profissionais da área pela distribuição geográfica de atuação dos egressos, além de mostrar que sua formação não acontece apartada da escola. Os dados revelaram igualmente que a maioria dos egressos continua atuando na educação básica, mesmo que haja uma ampliação para a educação técnica e tecnológica. Pode-se inferir que o papel fundamental assumido por este Mestrado Profissional é dual: aprimoramento da prática docente na educação básica e formação de pesquisadores. Assim, este trabalho permitiu discutir contribuições e lacunas para formação de professores em Mestrados Profissionais da área.

Biografia do Autor

Maria Rita Avanzi, Universidade de Brasília

Atua como Professora Adjunta do Núcleo de Educação Científica (Necbio) da Universidade de Brasília, desde 2009. Compõe o corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, com inserção na linha de pesquisa Educação Científica e Cidadania, na qual orienta discentes de mestrado e doutorado. No campo da Educação Ambiental desenvolve estudos sobre diálogo de saberes,na educação formal e com comunidades. Também atua no campo da pesquisa (auto)biográfica e formação de professores/as. É doutora em Educação pela Faculdade de Educação da USP (2005), mestre em Educação também pela Faculdade de Educação da USP (1998) e graduada em Ciências Biológicas - Bacharelado - pela UNESP - Rio Claro (1991).

Roseline Beatriz Strieder, Universidade de Brasília

Professora do Instituto de Física da Universidade de Brasília (UnB). Tem experiência na área de Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas de pesquisa: CTS e Abordagens Temáticas. Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrado e doutorado em Ciências (Área: Ensino de Física) pela Universidade de São Paulo (USP).

Patricia Fernandes Lootens Machado, Universidade de Brasília

Professora Associada da Divisão de Ensino de Química do Instituto de Química da Universidade de Brasília. Bacharel em Química pela UFC (1987), mestre e doutora em Ciência de Materiais pelo Programa de Pós-Graduação em Mineração, Metalurgia e Materiais na UFRGS (1990 e 1997). Tem pós-doutorado em Educação Química na Catholic University of America (CUA) em Washington, DC, EUA (2014-2015). 

Referências

André, M. E. D. A. (2016). A formação do pesquisador da prática pedagógica. Revista Plurais, 1(1), 30-41. http://dx.doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2016.v1.n1.%25p.

André, M. E. D. A., & Princepe, L. (2017). O lugar da pesquisa no Mestrado Profissional em Educação. Educar em Revista, 33(63), 103-117. https://doi.org/10.1590/0104-4060.49805.

Bomfim, A. M., Vieira, V., & Deccache-Maia, E. (2018). A crítica da crítica dos mestrados profissionais: uma reflexão sobre quais seriam as contradições mais relevantes. Ciência & Educação (Bauru), 24(1), 245-262. https://doi.org/10.1590/1516-731320180010016.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto, Portugal: Porto Editora.

Brandão, M. A., Deccache-Maia, E., & Bomfim, A. M. (2013). Os desafios da construção de um mestrado profissional: um panorama de sete anos. Polyphonía, Goiânia, 24(2), 319-337. https://doi.org/10.5216/rp.v24i2.37941.

Barros, E. C., Valentim, M. C., & Melo, M. A. A. (2005). O debate sobre o mestrado profissional na Capes: trajetória e definições. Revista Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação, 2(4), 124-138. https://doi.org/10.21713/2358-2332.2005.v2.84.

Cardoso, P. P. M., & Avanzi, M. R. Investigação sobre a atuação profissional de egressos do Mestrado em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília. Relatório final de PROIC/CNPq/UnB, 2015.

Chaer, G., Diniz, R. R. P., & Ribeiro, E. A. (2011). A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, 7(7), 251-266. http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/maio2013/sociologia_artigos/pesqusia_social.pdf.

Cochran-Smith, M., & Lytle, L. S. (1999). Relationships of knowledge and practice: teacher learning in communities Sage Journals online. Review of Research in Education, 24(1), 249-305. https://doi.org/10.3102/0091732X024001249.

Curi, E., & Amaral, L. H. (2013). Dez anos de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: a contribuição da pesquisa para a educação básica. Polyphonía, 24(2), 285-302. https://doi.org/10.5216/rp.v24i2.37939.

Forpred. (2012). Documento da Comissão do FORPRED para subsidiar a discussão sobre Mestrado Profissional para a Área de Educação da CAPES.

Gauche, R., Silva R. R., Machado, P. F. L., Baptista, J. A., Mól, G. S., & Santos, W. L. P. (2011). Saberes e fazeres do educador químico, suas múltiplas relações e dimensões - A experiência do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília - PPGEC/UnB. Ensino, Saúde e Ambiente, 4(2), 58-70. https://doi.org/10.22409/resa2011.v4i2.a21092.

Hetkowski, T. M. (2016). Mestrados Profissionais em Educação: políticas de implantação e desafios às perspectivas metodológicas. Revista Plurais, Salvador, 1(1), 10-29. https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/2299/1604.

Masson, G. (2017). Requisitos essenciais para a atratividade e a permanência na carreira docente. Educação & Sociedade, Campinas, 38(140), 849-864. https://doi.org/10.1590/es0101-73302017169078.

Moreira, M. A. (2004). O mestrado (profissional) em ensino. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 1, 137-142. https://rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/26/23.

Moreira, M. A., & Nardi, R. (2010). O mestrado profissional na área de Ensino de Ciências e Matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2(3), 1-9. https://doi.org/10.3895/S1982-873X2009000300001.

Ostermann, F., & Rezende, F. (2009). Projetos de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre mestrados profissionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 26, 66-80. https://doi.org/10.5007/2175-7941.2009v26n1p66.

Ostermann, F., & Rezende, F. (2015). Os mestrados profissionais em ensino das ciências da natureza no Brasil. Ciência & Educação, Bauru, 21(3), I-III. https://doi.org/10.1590/1516-731320150030001.

PPGEC. Resolução PPGEC/UnB N.o 1/2015. Brasília, UnB, 2015.

Rezende, F., & Ostermann, F. (2015). O protagonismo controverso dos mestrados profissionais em ensino de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 21(3), 543-558. https://doi.org/10.1590/1516-731320150030002.

Ribeiro, R. J. (2005). O Mestrado Profissional na política atual da Capes. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 2(4), 8-15. https://rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/72.

Romão, J. E., & Mafra, J. F. (2016). Mestrado Profissional: Crônica de uma Morte Anunciada. Revista Plurais, 1(2), 10-23. https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/2685/1815.

Salem, S. (2012). Perfil, evolução e perspectivas da pesquisa em Ensino de Física no Brasil. (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências. Instituto de Física, Instituto de Química, Faculdade de Educação – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-13082012-110821/publico/Sonia_Salem.pdf.

Schäfer, E. D. A., & Ostermann, F. (2013a). Autonomia profissional na formação de professores: uma análise de entrevistas realizadas num mestrado profissional em ensino de física. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 12(2), 287-312. http://hdl.handle.net/10183/94808.

Schäfer, E. D. A., & Ostermann, F. (2013b). O impacto de um mestrado profissional em ensino de física na prática docente de seus alunos: uma análise bakhtiniana sobre os saberes profissionais. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 15(2), 87-103. https://doi.org/10.1590/1983-21172013150206.

Severino, A. J. (2006). O mestrado profissional: mais um equívoco da política nacional de pós-graduação. Revista de Educação PUC-Campinas, 21, 9-16.

http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/204.

Silva, L. H. A., & Schnetzler, R. P. (2000). Buscando o caminho do meio: a "sala de espelhos" na construção de parcerias entre professores e formadores de professores de Ciências. Ciência & Educação (Bauru), 6(1), 43-54. https://doi.org/10.1590/S1516-73132000000100005.

Silveira, V. O. da, & Pinto, F. C. de S. (2005). Reflexões necessárias sobre o mestrado profissional. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 2(4), 11. https://rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/76.

Strieder, R. B., Avanzi, M. R., Machado, P. F. L., Araújo, T. O. P., & Santos Filho, R. A. (2017). Temáticas investigadas por egressos do Ensino de Biologia do PPGEC/UnB. In XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis. Atas do XI ENPEC, 2017. v. XI. p. 1-11. http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0833-1.pdf.

Zeichner, K. M. (2008). Uma análise crítica sobre a reflexão como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, 29(103), 535-554. https://doi.org/10.1590/S0101-73302008000200012.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Avanzi, M. R., Strieder, R. B., & Machado, P. F. L. (2021). MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS DA UNB: REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES-PESQUISADORES. Investigações Em Ensino De Ciências, 26(2), 17–31. https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2021v26n2p17

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)